sábado, 2 de outubro de 2010

ela era única,em todos os sentidos.

ela era vulnerável.era simples.era uma mulher sem medo nem pudor.era uma mulher que procurava nos homens uma amizade,uma família,não só um parceiro ou amante.era alguém que tinha uma alma triste e solitária.alguém cuja a beleza (apesar de estonteante) não superava o talento como atriz.alguém que se afundou em barbitúricos e álcool na tentativa frustrada e desesperada de encontrar algum sentido na vida.que quebrou SIM a imagem de loira burra.alguém que já atuou nos filmes mais famosos de Hollywood.alguém que não tinha vergonha do próprio corpo.alguém que num divã confessou seus segredos mais profundos.alguém que apesar dos rumores e dos julgamentos alheios,não era uma vadia,e sim uma mulher a frente de seu tempo.uma mulher com garra,que sabia o que queria,apesar de ser inocente e de muitos terem tirado vantagem disso.alguém que foi órfã,que teve três casamentos e 3 abortos.alguém que o talento não era reconhecido por conta da ignorância dos produtores que só a viam como um corpo lindo e um cérebro atrofiado.alguém que nunca pertenceu a nada nem a ninguém.que nunca se prendeu.que lutou até o fim pra tentar se encontrar.que muitos tentaram ajudar,sem ao menos entendê-la.alguém que se foi do mesmo modo que veio : sozinha. que morreu de overdose. que abalou a indústria cinematográfica. alguém que se resume em um nome : Norma Jean Baker,vulgo Marilyn Monroe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário