quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Palavras ao vento, meia garrafa de whisky, passagens aéreas, ou até mesmo bilhetes de trem. Qualquer coisa. Um cheiro, um sopro, uma voz. Algo que me faça sentir viva novamente. Controle emocional está longe do meu alcance, então deixei as emoções morrerem dentro de mim e me entreguei ao racional. Cansei de frivolidades e de brincadeiras sem sentido. Cadê tu Deus pra me tirar desse poço logo?

Pensamento do dia :

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Neo-fascismo em plena Praça da Apoteose.

Dos desfiles patrióticos de Mussolini para o carnaval do Rio de Janeiro, teoricamente, haveria muita diferença. Afinal ninguém nunca viu o tio Benedito fantasiado de Globeleza. Porém, de um para o outro, a única diferença são as plumas e as celebridades de peitos de fora.
De princípio devemos relevar alguns fatos. Primeiro de tudo : o Carnaval ( o original ), era a legítima folia sem noção. Quem era patrão virava empregado, quem era Maria virava João e todo mundo ficava tão bem na cachaça que chamava urubu de meu louro. Os blocos originais de carnaval eram assim : quatros dias atirando água, farinha e dançando músicas folclóricas nas ruas do interior.  Charles Darwin, o tio que disse que todos somos primos distantes dos chimpanzés, quando esteve no Brasil, mais especificamente, na Bahia, disse " Estes perigos consistem principalmente em sermos, impiedosamente, fuzilados com bolas de cera cheias de água e molhados com esguichos de lata. Achamos muito difícil manter nossa dignidade enquanto caminhávamos pelas ruas." ( Deixando bem claro seu desprezo pela festinha de rua tupiniquim).
Porém, na década de 1930, quando a ideologia fascista começou a tomar conta, nosso então presidente, Getúlio Vargas resolveu fazer tudo dentro do que se poderia chamar de " folia politicamente correta". Foi então que no ano de 1937, quando a ditadura do tio Getulião dominava o país ( e se parecia muito com a do tio Benedito, lá na Itália), colocaram ordem no puteiro e fizeram o primeiro desfile de escolas de samba integrado. Quesitos como disciplina, figurino, marcação e samba-enredo foram adicionados, e as notas iam de 0 a 10. A partir daí, podemos analisar melhor a semelhança de um desfile neo-fascista com o desfile da Beija-Flor de Nilópolis, por exemplo. A marcação, o tempo, tudo meticulosamente calculado na Marquês de Sapucaí é ( e sempre foi ) baseado nos desfiles patrióticos fascistas. Ou seja, a maior identidade brasileira provém da Itália.
Garanto que tu nem imaginava isso, não é?


( Bibliografia : Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil - Narloch, Leandro. Editora Leya )

Otherside.

Um dia estarei do outro lado da distância. Completamente isolada de tudo aquilo que um dia me destruiu. Nos últimos dias tenho aprendido muito vendo a reflexão dos meus atos passados. E aprendi que confiança é realmente artigo de luxo, não se pode dá-la de presente a qualquer um em troca de lágrimas de crocodilo. Por anos não me permiti confiar em absolutamente ninguém. De súbito parecia que algo havia mudado. Na verdade, foi apenas um aprendizado. Um doloroso aprendizado. Mas cicatrizes de uma história mal escrita sempre se convertem no aprendizado de uma reconstrução... lenta, porém eficiente. Isso chama-se evolução, no âmbito mais geral possível. Concluo em meus vastos e nada sensatos pensamentos que não sabemos de nada, e que tudo o que achamos saber jamais será o bastante para poder ser chamado de tudo. Somos tão pequenos e indefesos em relação a vida e todos os seus poréns que acreditamos piamente entender de algo. Não sabemos e não entendemos nada. Ninguém é imune a nada. E o tempo passa. e tudo que vai, sempre volta. Mas como eu já disse... um dia eu vou embora. E quem ficar para trás, é bem capaz de sentir falta de mim. Ou não. Mas o fato sempre será esse : venha comigo na caminhada eterna da evolução quem quiser.

Covardia.

Pessoas covardes. Taí uma raça que me enoja. Mas afinal, o que define uma pessoa covarde?
Na minha concepção, uma pessoa covarde é aquela que some na primeira oportunidade. Que não aguenta o preço e o peso de nenhuma decisão. Que não acata com os próprios problemas e ainda tem a audácia de simplesmente virar a cara para tudo quando mais lhe convém. Uma pessoa covarde é aquela que manipula os sentimentos, os pensamentos e a vida de uma pessoa, e quando lhe surgir uma oportunidade de conseguir iludir outro alguém, ela simplesmente vai embora, deixando para trás todo um rastro de destruição por onde passou. Uma pessoa covarde simplesmente não consegue aguentar o tranco. Não enfrenta nada de peito aberto. Nunca assume a culpa por um erro, e sempre vai embora. Elas, normalmente, quando somem, usam desculpas esfarrapadas e sem sentido, e também contam vantagem do tal feito. Grande pessoa essa que vai atrás de todos os objetivos e depois que consegue, vai embora, afinal, não sabe lidar com a responsabilidade da conquista.
Covarde. Essa é a pior coisa que uma pessoa pode ser.